sábado, 17 de janeiro de 2015

Quando acordei para a verdade, doeu.

Desde que entendo-me por gente
Sempre acreditei no ser humano

Chorava com os que choravam
Sorria com os que estavam felizes
Sentia-me tocada com as dificuldades do outro
Procurava entender e ajudar mesmo diante das minhas limitações

Muitas vezes, abria mão do que gostava
E até de quem eu era pelo o bem do outro
Nunca esperava nada em troca
Meu coração sempre guiou-me

Então, você descobre que o ser humano
Pode ser um "bicho" muito mal
Ele manipula, usa, pisa e joga fora
Ele debocha, humilha e ainda sorri

São nessas horas que você descobre
Que o coração humano é enganoso
Ele faz você acreditar que todo sorriso é sincero
Que todas as palavras são verdadeiras
Que o carisma é sinônimo de caráter

Ah! Triste engano...

Lutei para acreditar que o que via era mentira
Lutei para acreditar que a errada era eu
Lutei para acreditar que o que ouvia não era "bem aquilo"
Precisei acordar...

Quando acordei para encarar a verdade, doeu
Doeu porque pra mim era uma pessoa querida
Doeu porque pra mim era uma pessoa que depositei toda a minha confiança
Mesmo quando havia sido alertada pra tomar cuidado
Doeu porque pensava ter aprendido as lições que outrora haviam sido ensinadas
E não é que estou de recuperação nessa escola chamada "vida"?

O que traz a esperança é saber que, nada foi em vão...

Não. Não foi em vão
Lições foram acrescentadas
As feridas serão cicatrizadas
E amanhã, se Deus permitir, serei mais sábia (tomara)

Triste é ver peregrinos na mesma estrada
Acreditando fazer o que é certo
Vivendo na utopia miserável e doentia
Mas se os meus olhos foram abertos
Torcerei para que os deles também sejam

E, quando acordarem para a verdade, como eu
Sentirão dor e se sentirão um lixo
Mas perceberão que essa angústia vai passar
E o "ontem" será o alerta para o "hoje"
Para que "amanhã" as escolhas sejam mais madura e não tão ingênuas
Em todas as decisões que tiver que tomar

É preciso acordar!

quarta-feira, 14 de janeiro de 2015

Oásis


Um calor infernal...
Uma eternidade pra ir...
Uma eternidade pra ser atendida...
Um minuto de conversa...
Uma eternidade pra voltar...
Um calor infernal...
Uma ligação que traz esperança.

sábado, 10 de janeiro de 2015

Quando o que sinto fala mais alto...


Respiro profundamente...
E o aroma que a chuva traz me arrebata
Posso ver a beleza que se esconde
Nos lugares onde as nuvens negras
Tentam me fazer acreditar que ela já não mais existe

Olho sem rumo
Me perco na visão que está diante de mim
Seria um oceano no céu ou um céu desenhado em forma de mar?
Árvores, flores, troncos, folhas, perfume, borboletas, beija-flor e minhas emoções
Contidas no mesmo frasco
Guardadas na minha memória

Meus olhos ficam marejados
Minhas mãos se entrelaçam
Um sorriso discreto
E meu coração se derrama em gratidão

Então, respiro, olho e deixo a emoção colocar a razão para dormir
Diante de tanta beleza o raciocínio já não é necessário
Há momentos que só a sensibilidade deve ter voz

quarta-feira, 31 de dezembro de 2014

Virando a página para escrever uma nova história

Dá sempre um frio na barriga quando chegamos na virada do ano.
Um filme passa em nossa cabeça e refletimos o ano que estamos deixando para trás.
As lágrimas derramadas,
As lutas que pareciam nos destruir,
As decepções,
As frustrações.
Os desafios vencidos,
Os sorrisos roubados,
A criança que nos atrai com seu doce olhar,
A esperança e o consolo no abraço da criança...

Então, a gente mostra a língua pra tudo aquilo que foi ruim e diz em boa e alta voz: "Agora chegou a minha vez! É hora de virar a página e escrever uma nova história.
Nada de carregar a bagagem pesada de um ano que tanto me cicatrizou...
Nada de continuar na trilha que tanto feriu meus pés...

Eu quero receber o ano com tudo o que cabe de lindo na vida: sorrisos, abraços, beijos, cafunés, risos, sonhos, fé, confiança, amor e que jamais falte a saúde

Depois de tudo feito, agora é só descansar e crer que o ano novo será novo em tudo. Em tudo mesmo...

Vivamos a vida.
Nada de sobreviver.
É hora de viver intensamente e do passado só trazer a memória o que nos dá esperança.
Bora pra 2015!?